Do dia 22

5 mar

Dia 22 de dezembro do ano passado foi uma quinta-feira. Seríamos 5 no Celta e mais uma penca de bagagens porque contávamos com 15 dias na estrada. O mais econômico foi o meu irmão Rodrigo, que deve ter levado umas 5 camisetas, 3 bermudas, um chinelo e 4 cuecas. “Lavo tudo no caminho e uso de novo”, ele disse. Queria ter esse desprendimento/nível de ogrice, mas não consigo: levei uma mala gigante com uns 10 vestidos, uns 15 shorts, 2 agasalhos (a previsão era de calor todos os dias), 30 camisetas, 175 calcinhas, 4 tênis, 2 sandálias, 2 chinelos. Enfim, levei meu armário quase inteiro porque gosto de ter opção.

DICA: Nem tanto ao mar, nem tanto à terra: não usei nem 1/3 das roupas que levei e meu irmão teve que comprar roupas no caminho porque no apartamento em Buenos Aires a máquina de lavar parou de funcionar no primeiro dia.

Ligamos o carro ainda de madrugada e pegamos a Régis Bittencourt ali por Taboão da Serra, já com o dia claro. A estrada é boa, apesar da fama de perigosa porque tem uma penca de caminhões gigantes. De São Paulo a Porto Alegre os caminhões são realmente monstruosos. Mas até Curitiba, a Régis Bittencourt tem duas pistas, às vezes até três.

Cantarolávamos músicas de acampamento, contávamos piadas, fazíamos planos e o bom humor era contagiante até a Serra do Cafezal. É uma bela serra, florida, com mata nativa, uma lindeza e faz parte da Serra do Mar, ainda no estado de São Paulo. Mas essa bosta desse lugar está em obras de ampliação e demoramos cerca de 3 horas para passarmos 18 km.

Foi o primeiro grande obstáculo da viagem, porque deu vontade de encarnar o Michael Douglas e voltar de ré, batendo em todos os filhos da puta dos caminhões que entopem a merda da Serra. Pra se ter uma idéia, meu pai, já mijando nas calças, conseguiu descer do carro, tirar água do joelho em uma casinha na beira da estrada e continuávamos parados no mesmo lugar. Mas a verdade é que dava tempo pra cagar (e cagar de novo, e de novo e de novo e de novo).

Passando a Serra do Cafezal, tudo fluiu bem e conseguimos chegar em Curitiba às 14h e lá vai paulada. Eu tinha marcado de almoçar com a Uli e sua família, mas demoramos tanto na Serra que troquei o encontro pelo jantar.

Quando se tem poucas horas em cada lugar é preciso eleger uma ou duas coisas para se fazer. Foi assim que paramos no Jardim Botânico para meu irmão e o Luquinhas conhecerem (eu e meus pais já conhecíamos) e depois fomos procurar algum lugar pra comer. Já era tarde para almoçarmos e tudo estava fechado. Foi assim que nossa primeira refeição da viagem foi um Burguer King, Coisa de paulista jeca, diria o Julinho, amigo meu.

Depois fomos até a casa da Uli. Curitiba é um lugar fácil para dirigir, é bem sinalizado, mas não dispensamos a ajuda dos mapas e de um GPS nem por um segundo (meu irmão promete resenhar o aplicativo aqui em breve).

Comemos lasanha, batemos papo, brincamos com os filhos da Uli e do Cláudio, dormimos confortavelmente e no dia seguinte acordamos, ainda com o dia escuro, porque eu tinha que terminar de cruzar o Paraná, cortar Santa Catarina inteira e andar mais um pedação do Rio Grande do Sul até Porto Alegre.

Anúncios

6 Respostas to “Do dia 22”

  1. Janete Domingues março 6, 2012 às 1:31 am #

    O site Minha Mãe que Disse publicou recentemente um texto seu e foi assim que cheguei ao Eneaotil. Passei os dias seguintes lendo cada post (tá, pulei as cartas ao papai Noel, porque, né, o natal já ficou pra trás, rs). Fui do riso às lágrimas por diversas vezes e quando terminei de ler tudo fiquei com aquela sensação que a gente fica quando lê um livro bom e ele chega ao fim, sabe? Com pena de ter lido tão rápido, poderia ter lido mais devagar pra ele durar mais…Bom, espero que vc continue escrevendo sempre e dando notícias do Luquinhas, e espero também que o meu filhote seja um garoto tão legal quanto ele! bjos

  2. Marcela março 6, 2012 às 9:00 pm #

    Achei que você tinha abandonado a ideia de contar sobre a viagem….
    Fiquei feliz quando vi que tinha atualização no Reader, adoro ler os seus (sempre didáticos!) textos!!
    Acabei de voltar de uma temporada em BsAs e li várias vezes seu relato antes de ir…. Rachando o bico, sempre!!! hahahahaha

    Esperando pelos próximos capítulos…

    Beijos!!!

  3. Bianca março 23, 2012 às 3:14 pm #

    Ai que bacana! Tô adorando ler o passo a passo da viagem… Fui no Eneaotil esses dias e não consegui acessar… Diz que tá fechando para usuários restritos. Confere ou é bug?
    De qualquer forma, não deixa de escrever pra a gente não… Adoro seus textos.
    Um beijo, Bia

  4. Wanderson abril 9, 2012 às 4:29 pm #

    Leonor,

    Não consigo acessar o blog eneaotil, o que acontece? Sou leitor assíduo há muito tempo…

  5. Poltrona livre agosto 21, 2012 às 7:28 pm #

    Muito bacana o blog de vocês… Também acabei de comprar um celta e pretendo viajar muito com ele! Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: